"Ora, a leveza não é a simplificação, nem o reducionismo, mas o bom voo que nos permite ver mais longe." Ítalo Calvino

domingo, 31 de janeiro de 2010

Momento musical: Maria Rita

Há quem diga que ela não se iguala à mãe. Há quem diga que o seu sucesso se deve a ser filha de quem é. Discordo de ambos os pensamentos. Não menosprezando a eterna Elis Regina (não sou nem doida, né?), mas, sinceramente, sou muuuito mais Maria Rita. Talvez pelas músicas, não sei. Mas prefiro. E sobre quem fala que ela apenas herdou a fama, pensem bem. MR demorou a entrar no mercado da música, se preparando, porque ela sabia que o tiro tinha que ser certeiro, não haveria segunda chance. Foi lá e deixou o Brasil inteiro cantando os sucessos "Cara Valente", e "A Festa". Se fosse apenas euforia coletiva, o CD/DVD "Samba Meu" (que dá nome a este humilde blog), lançado 4 anos depois do disco de estreia, não teria hoje um disco de platina.

Hoje, domingueira, na casa da vovó, resolvi assistir (novamente) um dos meus DVDs preferidos, o SM, após ter o ouvido insistentemente no ipod e no CD. E não é que eu me arrepio toda vez? A intensidade e o ótimo gosto das músicas fazem a combinação perfeita. Não tem um minuto que nao seja fantástico. E é claro, a mulher que canta é um espetáculo, rs. As roupas dela são também maravilhosas!! É tudo perfeito. Um verdadeiro show.

Por deixar minha vida mais doce e musical, que eu dedico a essa deeva (rs) esse post! E deixo também minha reclamação! MR em BH, já!

sábado, 30 de janeiro de 2010

E sobre o nome do blog "Dez Desatinos"

Acredito que a vida seja feita de momentos, desatinos mesmo. Se vivo em uma eterna epifania ou em surtos de sentimentos, não sei. Só sei que "ela desatinou..." e ainda pretendo descobrir quais são os dez.
Confusa? Imagina...

Sobre ano novo, aniversário, vestibular, Lapa, Big Brother, férias...

Bem-vindos ao meu mais novo blog. Mais um. E sem a menor vergonha de dizer que o último não deu certo, rs. A vontade de escrever é maior que o medo do fracasso. Sabendo que não serei muito lida, nem ligo, eu preciso é vomitar tudo isso que estou guardando, desde que o meu diário/agenda de 2009 acabou.
Quem conviveu com os ensinamentos pré-UFMG do ano passado aprendeu com o irredutível Padre Vieira que, quando discursamos, devemos manter uma única matéria, para que o que temos a 'pregar' não se perca ao atingir quem nos ouve/lê. O ilustríssimo padre que me perdoe, mas preciso tratar de várias coisas no meu post inicial (o que não impede a retomada desses assuntos mais pra frente :D ).
Então, lá vai:
O ano novo começou. Após uma virada surpreendentemente divertida, fiz 19 anos e descobri que estou envelhecendo. Eu nunca consegui disassociar meu aniversário do reveillón... e acho que o fato desses eventos serem no mesmo dia não tem nada a ver. Quando ganho mais um ano de vida, me sinto renovada. O mesmo acontece quando troca o ano... todo mundo ganha mais 365 dias de fazer tudo diferente, ou tudo igual mesmo, e melhorar a cada dia. Renovar as ideias, as vontades, a coragem, os sentimentos... e, quem sabe, os conhecimentos? (mas isso é tema de outro tópico!). Entretanto, foi meu último aniversário TEEN, e isso me chocou. Tenho medo de deixar passar...
E esse ano já chegou com tudo. Já nos primeiros dias visitei a UFMG algumas vezes, pra fazer intermináveis provas. Alguns dias depois, chegou o resultado. Sim, passei ^^ e tô feliz (e isso é ooutro post).
Nesse entremeio fui pro Rio, um lugar que amo e que, tenho certeza, ainda será palco de um pedacinho da minha vida. Ou quem sabe um pedação. Como de costume, evitei a praia e, no único dia que fui, fiquei igual a um camarão. (estou a descascar até hoje). Mas o que mais me motiva a comentar é a tão famosa Lapa. Nunca tinha visitado e então me surpreendi. QUE LUGAR! A vida boêmia que sempre quis, rs. Me senti acompanhada pelo espírito do malandro, "na praça outra vez, caminhando na ponta dos pés...". Assisti a um show das Mulheres de Chico e, claro, me senti uma delas. Delírio ao som do meu preferido. E como não poderia deixar de ser, fiz o passeio típico do Rio de Janeiro... caminhar por Ipanema de olho nos passantes, pra ver se avisto Chico. Mais uma vez não tive sorte.
No orkut, tem uma comunidade que adoro e sobretudo respeito demais, a HoJE, quem conhece sabe o significado da sigla. Descobri que a sua dona, que é famosa no mundo virtual e cujo blog é um arraso, estava no BBB, a Elenita. Torço demais por ela, independentemente do comportamento dela na casa, o que aliás aprovo até agora, só por ela ter criado a comunidade, rsrs.
Nesse meio tempo, refleti sobre o que é o Big Brother. Taxado de fútil e imbecil, eu sempre assisti, e confesso que nunca me emburreceu. Fico pensando o por que do tamanho preconceito com o programa. O que eu acho que burrice é criar um esteriótipo. É claro que a maioria dos participantes, de todas as edições, não correspondem a um bom nível de intelecto, o que não anula a inteligência do programa em si. A convivência forçada, sob pressão, onde as pessoas usam de todos os métodos mais escusos pra ganhar dinheiro é uma excelente gaiola de observação do comportamento humano e também da sociedade. As pessoas foram literalmente segregadas por um preconceito bobo, em chamadas tribos. Quem disse que um "colorido" não é "belo", e um "sarado" não é "ligado". E quem disse que um "cabeça" não pode ser "colorido"? Poupe-me. Mas isso é o retrato lindo da sociedade em que vivemos. Às vezes, ser gorda anula o fato de uma mulher ser bonita. Ser bonito, anula o fato de um homem ser inteligente. Ser inteligente impede uma pessoa de ter bom preparo físico? E ser rica, a torna arrogante? Mais uma vez tô impressionada (no melhor sentido) com as sutilezas do programa. Acredito que quem vai ganhar será quem conseguir transpor essas barreiras iniciais, sem se utilizar, necessariamente, de uma bela bunda (Não que uma bunduda seja menos digna!).
E se interessa saber, torço pela Elenita e pela Angélica, além de me simpatizar com o Cadu.


Sobre, as férias... bem, esse blog é uma consequência delas. :)