"Ora, a leveza não é a simplificação, nem o reducionismo, mas o bom voo que nos permite ver mais longe." Ítalo Calvino

segunda-feira, 18 de outubro de 2010

Poesia, no mais profundo significado da palavra...

Em 07 de outubro de 2010.

NO VAZIO

Na ausência presente faz-se
quando me toma o reflexo do teu olhar
e quase enxergo tua face
quando a outros olhos volvo o observar

Como em meu peito marcado
não se apaga tua imagem de nobreza
não há gente, bicho ou lado
que à sua memória não padeça

É que basta um passo
nem é preciso uma caminhada
para que em cada espaço
tu te tornes eternizada

Não me ocorre outro motivo
nem outra razão parece haver
senão que é teu cativo
o mundo que abriga o teu viver

terça-feira, 5 de outubro de 2010

A eterna busca pela felicidade...

"Não há caminho para a felicidade. A felicidade é o caminho." Sábio foi quem disse isso. Repito suas palavras, mas com a convicção sempre abalada. Será tão fácil conseguir viver sempre sem esbarrar em momentos de dúvida e angústia? Ou serei eu a debilitada?

Há muito me culpo por ser uma pessoa reclamona. Não que ache que isso seja um defeito. Longe disso, admiro quem é capaz de reclamar na medida certa, quer isso represente militância de qualquer tipo, quer seja uma forma de humor, quer seja pra ser "do contra" mesmo. Entretanto, ao olhar em volta, tenho plena consciência de quanto fui abençoada - ou sortuda, para os incrédulos. E aí revejo meus propósitos de vida, que incluem tentar ser feliz com pouco, ser paciente e tolerante com as pessoas e trazê-las para a benção que é minha vida. O meio com o que faço isso é que é muitas vezes prejudicado pela minha mania de achar defeitos em tudo. E aí, a grande missão fica prejudicada. Ressaltar o defeito das pessoas me faz tê-las em um plano de rejeição, não consigo mais ser sincera na relação. Aquele curso que me parecia maravilhoso de repente se torna asqueroso, porque tenho que começar a estudar poucos pontos desagradáveis. A tão sonhada viagem de férias se torna um fardo por um simples desvio milimétrico nos meus planos. Muito se perde nesse caminho... perco muito além de pequenos momentos de felicidade, se vai também a ideia inicial de que a estrada deve ser a felicidade. E por isso, não consigo por em prática o que aquela sábia frase do início nos recomenda.

Entra aí minha reformulação: Não há caminho para a felicidade, tampouco a felicidade é o caminho. A felicidade é o querer ser feliz, ainda que seja triste de vez em quando.
E assim vou levando, tentando ser feliz e tentando acreditar mais na beleza do inesperado. E, acreditem, apesar de ranzinza por vezes, sendo feliz na maior parte da vida!